segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Breve estarei para ti

_Areias entraram pelos dedos dos pés, num sol de escaldar, cabelos longos pelos dedos das mãos ... passou.
Pela grama a deitar, braços nos meus braços a se enroscar, por cima de mim deixavam deslizar, unhas como um arranhão... foi o que ficou.
E agora como água a se adaptar, feita a caber direitinho no teu abraço, onde a encontrar ? Doer de esperar, sangrar de imaginar, perder o sono de tanto sonhar. Sou poeta e vou encontrá-la, pois como sobreviveriam os meus versos sem o motivo pelo qual existem? Musa de minhas mais íntimas poesias. Como podes tu passar e não despertar o desejo dos apaixonados? Somente porque és prometida a mim, é para mim que cantas, é para mim que andas, é para e por mim que fostes criada, pois se para outro fosse, não viria eu a existir, pois o MAIOR não deixaria vir à terra a sofrer e me lamentar por não ter o que me alimenta a alma, no entanto sou feliz, choro de saudade, riu por ser minha. Sim, e é por mim que respiras, pois mesmo eu sem o teu respirar, não tenho como viver, oxigênio meu.
Me fez esquecer pensamentos de outrora infelizes, fez brotar com teu encanto a flor azul que certa vez por capricho a arranquei do solo do coração, meu coração. Agora aguardo o momento em que a colherei e a darei a ti, amada minha, e como assim é com flores e o solo, nunca se colhe uma flor sem levar junto um pouco da terra, com ela irá um pedaço de meu coração, o outro ficará comigo, apenas para continuar a escrever ...
carícias de você.
Me espera, breve estarei para ti...!

Distancia à Distancia
.!

Elica Cardoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Rabiscos